segunda-feira, 7 de março de 2011

Portugueses no arquipélago da Madeira e Açores

" a harmonia do mar "


 

 
 
 
em actualização permanente.........

fonte:  Manuel Pinheiro Chagas e José Maria de Sousa Monteiro
1418
Neste ano foi mandado Bartolomeu Perestrelo, Cavaleiro da Casa do infante D. João, à empresa de dobrar o Bojador; mas sendo assaltado de tempestade,. perdeu  derrota que levava, e foi arrojado a uma Ilha desconhecida, a que deu o nome de Porto Santo, por ter achado nela abrigo, e descanso de sua trabalhosa navegação.
Damião de Gois, e Soares da Silva põem este descobrimento no ano seguinte de 1419.
Alguns negam que Perestrelo fosse o descobridor desta Ilha, e somente dizem que o infante lhe dera a Capitania dela: mas a pratica geral daquele tempo nos parece persuadir o contrário.

No ano seguinte de 1419 voltou Perestrello com  outros dois navegantes João Gonçalves Zarco, e Tristão Vaz, Cavaleiros da casado infante D. Henrique, cada um em seu navio a Ilha de Porto Santo, lavando Perestrello ordem, alguns preparos para começar a sua cultura.

Dizem os escritores antigos, que lançando na Ilha uma coelha , que no mar havia parido, fora a criação destes animais em tanto aumento, que destruiu as searas, e por algum tempo retardaram, ou embaraçaram o projecto da colonização da Ilha.

Perestrello voltou a Portugal: mas João Gonçalves, e Tristão Vaz, tendo observado uma espécie de nevoeiro, que constantemente se lhes oferecia no mar,  sempre no mesmo sitio e direcção, suspeitaram o que poderia ser, e dirigindo-se para aquela parte, descobriram a Ilha da Madeira ,  que deram este nome pelo alto e vasto arvoredo, de qual a acharam coberta.

Algumas antigas memorias dizem que Francisco Alcoforado , Cavaleiro da Casa do infante D. Henrique, fora neste descobrimento, e o descrevera em uma exacta Relação.

De João Gonçalves Zarco se diz que foi o primeiro Português, que usou da pólvora , e artilharia nos navios. Manuel Thomaz, na lnsulan. I. 1.° est. fallando delledix.

« liem i verdade, qut cstt o Lusitano
 Primeiro foi, no mar com nome eterno,
 Que usou da dura fruta de Vulcano,
 E o salitrado aljôfar do inferno;s

ASSO DC 113.s.

Por este ano começou o Infante a mandar povoar as Ilhas da Madeira, e Porto Santo, e também a Deserta, que sem duvida foi descoberta com as primeiras.

Ele mesmo na doação que fez do espiritual destas Ilhas â ordem de Cristo em 18 de Setembro de 1460, quase dois meses antes do seu falecimento, diz « comecei de povoar a minha Ilha da Madeira, haverá ora trinta e cinco anos, e isso mesmo a do Porto Santo, e deshi, prosseguindo, a Deserta s por onde parece fazer-se verosímil, ao menos em parte, o que uniformemente referem os nossos escritores, que lançando-se fogo aos bosques da Ilha da Madeira, este se ateara de tal modo, que por alguns anos não fora possível povoá-la Os anos devem neste caso contar-se desde 1419, ano do descobrimento, até 1425. E dizemos, ao menos em parte, porque algum tempo era preciso para te prepararem as famílias, e os mais objectos necessários à povoação e cultura daquelas Ilhas.

O infante dividiu a Ilha da Madeira entre os seus dois descobridores. Mandou vir da Ilha de Candia a preciosa planta da malvasia, (jue tanto ali prosperou, e tão útil tem sido ao comércio, e riqueza da Madeira. Mandou também vir da Sicília a cana do açúcar, e mestres, que a ensinassem a plantar e cultivar, e a fabricar o assucar. E foi esta cultura tão bem recebida do terreno, que em 1501 íe participava a El-Rei D. Manuel haverem-se fabricado, nesse ano, na Ilha, 63:800 arrobas de assucar. Quando Barros escrevia as suas Decadas, diz elle, que uma porção de terra de trez léguas dava ao quinto mais de 60:000 arrobas. E Bluteau, nos princípios do século passado, escrevia que na Ilha houvera algum tempo ISO engenhos do assucar os quais rendião 400:000 arrobas.

Da Ilha da Madeira sahiram depois os mestres, qne íorfio introduzir o fabrico do assucar na Ilha de S. Thomé, e de ambas estas Ilhas se propagou mais depois no Brazil , por industria dos Portugueses, tanto a cultura da cana , como a factura do assucar.

O grande infante D. Henrique, posto que aplicado á povoação e cultura da Madeira, Porto Santo, e Dezeria, nem por isso se esquecia de continuar, e promover a sua primeira, e principal empresa, da qual porém sabemos, que por espaço de doze anos se não tirou fruto algum, não se conseguindo em todo este tempo dobrar o Cabo JSojador.Gil Eannes, natural de Lagos, dobrou enfim o formidável Bojador.

Dizem os antigos escritores portugueses, que está passagem do cabo fora então reputada como uma façanha igual a algum dos trabalhos d' Hercules: expressão, que hoje parece minimamente exagerada , mas que onâo era tanto* naqueles tempos, vistas as dificuldades, os medos, e oá perigos, que ou se tinham experimentado, ou se imagina-» vão e sofHinhão na mesma passagem, e qué por tanto tem-* po a haviuo retardado.

Parece-nos não se ter ainda determinado com bastante precisão, e certeza, a época d'este notavel acontecimento.; Muitos dos nossos escriptores a referem ao anno de 1433: alguns ao de 1432: outros ao de 1434r eoutros finalmen-» te ao de 142S.

Se nesta materia pode haver lugar a conjecturas, nós temos por mui verosimil, que o passagem do Bojador se executou em 1429, ou quando mais tarde em 1430. As razões, em que nos fundamos, são as seguintes:

Primeira: que os nossos antigos uniformemente dizem, que o ínfunte D. Henrique, por mais de doze annos T fizera tentativas para dobrar este cabo, mandando a cllc Frequentemente os. seus navios. E como estas tentativas começaram logo depois da expedição de Ceuia, istohe, em 1416, ou ao mais tardar em 1417, parece que a passagem do cabo ^eria em 1429 ou em 1430.

Segunda: que o Papa Martinho V, permitiu por uma sua bulia, que se pudesse contratar e comerciar com os infiéis. Esta permissão, cuja verdadeira data ignoramos, não podia ser posterior a 20 de Fevereiro de 1431 , em que aquele santo Padre faleceu. Tinha pois sido pedida, e pode ser que concedida pelo menos em 1430. Por outra parte é de presumir, que o infante somente a pediria depois de se ter vencido a grande dificuldade do Bojador; porque até então nem sabemos que os nossos navegadores sahissem em terra a negociar, ou procurassem ter comunicação e comercio com os habitantes; nem é verosímil que o intentassem a respeito dos Mouros , com quem os Portugueses estavam em actual, e continua guerra. D'onde se collige, que antes de 1430, ou quando muito nesse mesmo ano, já se tinha vencido o Bojador.

Terceira: que na bulia do Papa Nicoláo V. (já citada) dos principios de Janeiro do anno da Encarnação de 1454, que é anno vulgar de 145S, se diz que o ínfante, havia vinte e cinco annos, (a viginti quinque annis cilra, isto é, ha vinle e cinco annos a esta parte) não cessava de mandar navios ao descobrimento das terras, e costas do Bojador para as partes do Sul. Logo o Bojador já tinha sido dobrado, ejá se navegava além d'elle para o Sul vinte e cinco annos antes da data da bulia, o que vem a dar em Janeiro de 1430, e mui provavelmente no anno antecedente de 1429.

ADVERTÊNCIA.

Pareceu-nos aqui lugar próprio para notar em geral, que algumas das diferenças que se encontrão nos antigos escritores a respeito de datas, e que talvez parece que embaraçam a cronologia dos descobrimentos, se devem atribuir, segundo o nosso juízo, a que uns tomavão por época de tal, ou tal expedição e descobrimento o ano em que os navegantes sahião de Portugal': outros o ano em que chegavam á costa de África , e efectivarnente loenvão o ponto descoberto, o que muitas vezes snecedia no ano seguinte ao da sabida: e outros finalmente o ano em que voltarão ao reino, e se divulgava a noticia. Por onde entendemos, que quando a diferença das datas é pequena , e de anos imediatos, se não deve fazer conta com ela para ali arguir alguma incerteza no acontecimento , ou alguma variação essencial na sua época.

O Infante D. Henrique mandou no ano de 1431, que .o Comendador de Almourol na O. de Chr. Fr. Gonçalo Velho Cabral fosse correr os mares a Oeste, em demanda de novas terras. O navegante encontrou os baixos das Formigas, situados entre as Ilhas de Santa Maria e S. Miguel, mas não deu fé .de alguma d'ellas, e voltou a Portugal a informar o Infante do que linha observado.

Foi outra vez mandado no anno seguinte de 1432 a explorar os mares, em que existiam aquelles baixos, e então com melhor fortuna descobrio a Ilha de Santa Maria, primeira descoberta no archipelago dos Açores a 15 de Agosto, e pela circumstancia da festividade do dia lhe deu aquelle nome.

O infante fez a Gonçalo Velho Capitão-donatário da Ilha, e ele a começou logo a povoar, e cultivar com grande proveito e interesse.

Sem comentários:

Enviar um comentário